Alimentos frescos ou ultracongelados: Quais os mais baratos?

Já reparou na diferença de preço entre alimentos frescos e congelados? Saiba porque, muitas vezes, compensa optar pelos ultracongelados.

Brócolos congelados

Os alimentos ultracongelados são muitas vezes subestimados, sendo considerados menos saudáveis do que os frescos e até mais caros. No entanto, a realidade mostra-nos que esses preconceitos não têm fundamento. De facto, os alimentos ultracongelados apresentam imensas vantagens tanto em termos nutricionais, como económicos e ecológicos.

Os alimentos ultracongelados são (em muitos casos) mais baratos do que os frescos

Muitas pessoas acreditam, erradamente, que os alimentos congelados são mais caros do que os frescos, quando na maioria das vezes não é esse o caso.

É importante lembrar que, quando um alimento é congelado, 100% dele é consumido, pois antes de ser congelado, ele é despojado de todas as partes não comestíveis e de todas as partes que, por norma, são descartadas pelo consumidor, como os talos e as cascas. Portanto, a não ser que goste e saiba aproveitar as cascas, talos e folhas dos alimentos, ao considerar o peso real do alimento que vai consumir, os alimentos frescos nem sempre compensam.

Fiz uma pequena experiência com um saco de 1 kg de cenouras Continente! 🙂 Descasquei todas as cenouras e voltei a colocá-las no saco para as pesar.

Peso de um saco de cenouras após serem descascadas
💡
Descubra as melhores oportunidades para poupar e ganhar dinheiro!
Clique aqui para saber mais.

Conclusão: um 1 kg de cenouras “transformou-se” em 760 g após serem descascadas. Comprei esse saco de 1 kg de cenouras por 1,05€. Refazendo as contas usando a nossa calculadora de Preço por Quilo, o que aproveitei dessas cenouras ficou por 1,38€ por quilo. Ou seja, as 240 g de cascas de cenoura que foram para o lixo, equivalem a 33 cêntimos de desperdício! 😛

Repare agora no seguinte exemplo:

Preço dos brócolos no Auchan - Frescos vs Congelados

À data de publicação deste artigo, um quilo de brócolos frescos no Auchan custam 2,55€, enquanto que um quilo de brócolos congelados custa apenas 1,85€. E o mesmo acontece com outros legumes.

Além disso, enquanto os preços dos alimentos frescos variam consideravelmente ao longo do ano, o preço dos alimentos congelados não é afetado pelas variações sazonais por serem colhidos e processados nas épocas certas.

No entanto, existem algumas exceções “à regra”, como o peixe, em que na maioria das vezes fica mais barato comprá-lo fresco. Nesse caso, compensará mais comprá-lo fresco e congelá-lo em porções.

Vantagens dos alimentos ultracongelados

A congelação é uma técnica antiga, utilizada para preservar alimentos e prolongar a sua vida útil. No entanto, com o advento da ultracongelação, este processo tornou-se ainda mais eficiente e versátil. Os alimentos ultracongelados apresentam uma série de vantagens, tanto a nível prático como nutricional, que os tornam uma opção cada vez mais popular entre os consumidores. Exploremos algumas das principais vantagens dos alimentos ultracongelados e como eles podem melhorar a nossa vida diária.

Poupa-se tempo na cozinha e evitam-se desperdícios

Com vidas cada vez mais agitadas, muitos portugueses têm com pouco tempo livre para cozinhar. No entanto, isso não significa que devam renunciar a uma alimentação saudável e saborosa. Os alimentos congelados são uma ótima opção, por estarem prontos para uso, são mais fáceis e rápidos de preparar, proporcionando ainda uma boa quantidade de nutrientes, vitaminas e minerais.

Além disso, os alimentos congelados em sacos permitem controlar facilmente as porções. Basta tirar a quantidade desejada e guardar o resto no congelador para uso futuro.

Qualidade garantida sem necessidade de conservantes

A conservação dos alimentos é um processo fundamental que visa preservar o valor nutricional dos alimentos ao longo do tempo. Este objetivo é tipicamente alcançado recorrendo a conservantes que abrandam a influência dos fatores biológicos. No caso dos alimentos congelados, por norma, o frio é o único conservante alimentar utilizado.

Já foi comprovado por estudos na área da alimentação que a ideia de que os alimentos congelados têm menos nutrientes do que os alimentos frescos, é falsa.

Estudos revelaram, por exemplo, que alguns legumes como os espargos e os brócolos perdem até 80% da sua vitamina C após apenas três dias à temperatura ambiente, e mesmo os espinafres perdem 75% após dois dias.

Os estudos mostram que os alimentos ultracongelados mantêm o seu valor nutricional. Isso se deve ao facto de que os legumes são colhidos, limpos, lavados e escaldados em água quente ou vaporizados, e então congelados rapidamente em questão de horas, preservando assim todos os seus valores nutricionais e vitaminas. Da mesma forma, o peixe é capturado, limpo e congelado diretamente a bordo dos barcos. Por isso, muitos nutricionistas acreditam que os legumes congelados são tão nutritivos quanto os frescos. Além disso, é melhor consumir legumes congelados do que legumes frescos cultivados em estufas, pois os legumes submetidos a este tipo de cultivo perdem a maioria das propriedades antioxidantes.

Segurança alimentar dos alimentos ultracongelados

Os alimentos congelados seguem rigorosos métodos de preparação. Empresas responsáveis por produzir e vender esses alimentos passam por vários controlos de qualidade tanto internos quanto externos para garantir a segurança dos consumidores. Esses cuidados tornam esse processo ainda mais seguro do que o congelamento caseiro, que nem sempre segue práticas higiénicas adequadas.

A congelação caseira é um método de preservar alimentos através do congelamento em casa, geralmente num congelador doméstico. Por outro lado, a ultracongelação é um processo industrial avançado que congela alimentos a temperaturas extremamente baixas, garantindo a sua preservação por períodos mais longos. Embora a congelação caseira possa ser uma opção conveniente, a ultracongelação oferece vantagens adicionais, como uma preservação mais eficaz dos nutrientes dos alimentos e uma redução no risco de contaminação.

A legislação, nomeadamente o Decreto-Lei n.º 251/91, de 16 de julho, estabelece as normas aplicáveis à preparação, acondicionamento e rotulagem dos alimentos ultracongelados. Esses alimentos são vendidos em embalagens fechadas pelo fabricante e a embalagem é adequada para proteger o produto de contaminações. O rótulo inclui informações importantes sobre os ingredientes utilizados, instruções de armazenamento, data de durabilidade mínima, ingredientes e possíveis alergénios.

Dieta equilibrada durante todo o ano

Cada vez mais, os portugueses procuram levar uma vida saudável, seguindo uma dieta balanceada e prestando atenção à autenticidade dos alimentos e ingredientes usados. Os nutricionistas concordam que comer uma variedade de alimentos coloridos garante a quantidade certa de nutrientes para atender às necessidades diárias. Com o uso de alimentos congelados, é possível manter a dieta mediterrânica ao longo do ano, tendo acesso a uma ampla gama de vegetais que são colhidos no pico da produção e congelados imediatamente. Dessa forma, não ficamos limitados pela sazonalidade dos produtos e podemos consumir vegetais fora de época (como, por exemplo, beringelas e pimentões em pleno inverno), mantendo assim uma dieta variada e equilibrada.


Como vimos, os alimentos ultracongelados apresentam uma série de vantagens que vão além do preço e da conveniência. Ao consumir produtos ultracongelados, os consumidores têm acesso a alimentos nutricionalmente completos e seguros, sem terem que se preocupar com a manutenção de boas práticas de higiene na preparação dos alimentos. Além disso, o consumo de alimentos congelados permite uma gestão mais eficiente dos recursos, incluindo a poupança de água e energia, e a redução do desperdício alimentar.


Receba alertas de amostras grátis, dicas de poupança e outras oportunidades incríveis diretamente no seu email:


Veja também:


Messenger Poupa e Ganha
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *